quinta-feira, 9 de março de 2017

Dia Internacional da Mulher

Porque os simples gestos, marcam a diferença. No Centro Social do Pego, os utentes/residentes do Centro de Dia e Lar, elaboraram uma flor em feltro, que ofereceram às colaboradoras das respectivas respostas sociais.

"Todas as mulheres do mundo, são como rosas dum lindo jardim, é preciso estimá-las, beijá-las, sentir o seu abraço nas noites sem fim. E se alguém me disser o contrário, é mentira pois tenho pra mim, que todas as mulheres do mundo, são como rosas dum lindo jardim" (Poema de: Ana Sofia Cid in, Todas as mulheres do mundo, música de José Cid) 


















sexta-feira, 3 de março de 2017

Festa de Natal Creche e Jardim de Infância CSPego

     Realizou-se no dia 16 de Dezembro a habitual festa de Natal. Esta é uma festa muito aguardada pelos pequenotes. A vinda do Pai Natal e toda a magia que envolve esta quadra, torna as semanas antecessoras ao evento, num corrupio de ensaios e cânticos natalícios.
     Desta vez, a magia do Natal soltou os “pozinhos de perlimpimpim” nas crianças e idosos, juntando-os em dois momentos especiais. Desta vez, os idosos, residentes na ERPI do Centro Social do Pego, deram início à festa. Com letra e música feitas para o momento, os idosos começaram por cantar “Já nasceu o menino Jesus”.
Seguidamente, as crianças da creche dançaram som da “Canção da Popota” (sala vermelha e azul) e fizeram a coreografia da música “Brilha Brilha” (sala verde).
Já no jardim de infância, as apresentações passaram pela representação da peça de teatro “Jornal Nacional” (sala laranja), enquanto que as crianças da sala amarela coreografaram a “Dança do Pinguim”.
    Para terminar em grande, os residentes do Lar regressaram ao palco, para em conjunto com as crianças da sala laranja, encerrarem as apresentações com a execução vocal e instrumental do tema “Pai Natal Sensacional”.
    Finalmente tinha chegado o momento mais aguardado da tarde, a chegada do Pai Natal. Já com os presentes distribuídos, todos conviveram durante o lanche.


Assim se fez a festa!


    Natal é união, paz, família, amizade, fraternidade, entreajuda, enfim, todo um leque de definições para esta época do ano, que na nossa instituição são lemas para todos os dias.
    Portanto, tentamos na medida do possível, permitir que esta festa seja, acima de tudo, uma festa de união e família. Não é de todo tarefa fácil acolher mais de uma centena de pessoas nas nossas instalações e proporcionar-lhes um ambiente agradável e sem confusão. Porém, com a ajuda de colaboradores, membros dos corpos sociais e amigos, temos conseguido e pelo segundo ano consecutivo, organizámos com sucesso este evento.
     Iniciámos a festa com a Missa de Natal, presidida pelo Sr. Padre, Adelino Cardoso e abrilhantada musicalmente pelo grupo coral da Igreja da paróquia de Sta. Luzia, do Pego.







     A tarde continuou com a animação musical a cargo do “Grupo de Cantares” do Centro Social do Pego, constituído por residentes do Lar e utentes do Centro de Dia. A música continuou com a participação dos colaboradores do CSP, que interpretaram a canção “Amar como Jesus amou”. Este foi um momento especial, onde sem ensaios, mas com a disponibilidade e entrega de todos, criou-se um momento muito agradável de se ver e ouvir.
     Estando a animação musical concluída, deu-se lugar a mais um momento especial da tarde.





     Com todo o carinho e dedicação, a utente do Centro de Dia, Sra. Maria Luísa Marques, num gesto de gratidão, ofereceu aos elementos da direção do CSP uma tela alusiva ao Natal, pintada à mão.
     Terminámos a festa com a presença da Mãe e Pai Natal, que com grande alegria, ofereceram uma lembrança a todos os utentes e residentes das diferentes respostas sociais desta instituição. Entregues os presentes, foi tempo de continuar a conviver e confraternizar num lanche recheado de iguarias com sabor a Natal, afinal, já diz o ditado popular, um dia não são dias.




terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Os Preparativos para o Natal...

O Natal aproxima-se, cheio de brilho, emoção, cor e magia…
A azáfama das decorações, trabalhos manuais e ofertas de Natal, já se faz sentir pelas salas do Lar e Centro de Dia. A alegria está estampada no rosto de quem participa efusivamente, sentindo-se útil e vivo.











O Piel 2016 - Visualização online

Já pode consultar online as últimas edições do Piel, o boletim mensal do Centro Social do Pego.

No separador à esquerda desta página, tem disponível para visualização em ficheiro pdf "O piel".

terça-feira, 20 de setembro de 2016

1º Cicloturismo - BTT Guiado - Caminhada e Zumba


(...) Passados seis anos desde o primeiro passeio e parando em 2015 para reflexão de estratégias de intervenção, os Tromba Estendida regressarão ao terreno já no próximo dia 9 de Outubro de 2016 para cumprir mais um objetivo: a realização do cicloturismo. Aproveitando a linguagem de ciclista, os Tromba Estendida estão “há 5 anos na roda do Centro Social do Pego”. Desta vez os Tromba Estendida Bike Team irão organizar pela primeira vez um evento de ciclismo de estrada. Falamos do 1º Cicloturismo, um percurso todo feito em estrada, com dificuldade média, de aproximadamente 50 KM. Mas, a nível de outras modalidades das duas rodas não ficamos por aqui. Este evento também oferece a possibilidade de participar num percurso de BTT de dificuldade média/baixa com aproximadamente 25 KM. Quem não quiser pedalar, pode inscrever-se na caminhada e aula de zumba onde a animação será garantida com a instrutora Ana Barrento.
A inscrição poderá ser feita no café do Luís, em Rossio ao Sul do Tejo, nas instalações do Centro Social do Pego ou on-line www.trombaestendida.blogspot.com, facebook/tromba estendida. A sua inscrição poderá ser feita com ou sem almoço. A refeição irá ser confecionada pelas “Delicias da Deolinda” e será servida no salão da Junta de Freguesia do Pego.
Toda a informação disponível no blog acima referido, como também em:
www.centrosocialpego.blogspot.com
Participe, ao participar faz desporto, diverte-se e está a ajudar uma causa.

Fonte: O Piel, Set 2016

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Ensaio do grupo de cantares - Interpretação : "Malmequer mentiroso"

    Aqui deixamos mais um pequeno registo de um ensaio do grupo de cantares da ERPI. Desta vez num registo mais intimista, porque para os intervenientes esta é uma atividade na qual é conferida uma grande entrega e dedicação. A concentração é fundamental para o sucesso da atividade. 

    Para além da atividade ser acompanhada pelo técnico, um dos principais objetivos da mesma é motivar os participantes a reunirem-se para ensaiar as canções, sem acompanhamento do técnico, hora ou local pré definidos. O gosto e dedicação pelas atividades de animação, devem ser voluntários e despertar nos intervenientes hábitos e vontades próprias relacionadas com as atividades apresentadas. Todos os novos hábitos\comportamentos adquiridos através da participação nas atividades por parte dos residentes, devem ser avaliados e são ótimos indicadores do sucesso da atividade.
Brevemente postaremos mais registos. 

Esperemos que gostem.  


video

quinta-feira, 23 de junho de 2016

segunda-feira, 30 de maio de 2016

"Os relógios dos nossos avós"

  







  Quanto tempo leva um dia a passar? Quantos minutos tem uma hora? Quantas horas tem um dia?

    Estas e outras questões estão presentes em cada um de nós. Nos idosos, dos adultos, nos jovens e nas crianças, o tempo urge. O emprego, as obrigações, entre outros fatores que regram o tempo de cada um de nós, fazem- nos não acreditar que já foi possível viver sem relógio. 

     Para que serve um relógio avariado? Esta foi a questão que serviu de tema de debate entre crianças e idosos, numa das sessões de debate de histórias. As crianças, acham estranho como é que alguém um dia pode viver sem relógio. Os mais velhos lembram os tempos em que não era preciso relógio para se saber quando começava mais um dia de trabalho. Sabia-se quando terminava o dia, sabia-se que dia da semana era, enfim, vivia-se sem "medo" do tempo. 
    Hoje, segundo a opinião dos mais velhos, já não é o sonho que comanda a vida, mas sim o tempo. As horas, os minutos, os dias, os meses e os anos não deixam tempo para pensar no tempo. Estranho não? Mas qual tempo? O tempo em que passamos por cá, na terra. O tempo que nos dá a vida é o mesmo que nos rouba os momentos de lazer, de ócio. 

Vale a pena correr atrás do tempo?

sexta-feira, 20 de maio de 2016

O Centro Social do Pego deseja-lhe, um excelente fim de semana.

Que em cada nova primavera, se renove o sorriso em cada um de nós! O sorriso é como as flores, quando surge um, logo imediatamente surgem outros tantos.

Tenha um bom fim de semana.

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Comemoração do dia 25 de Abril de 1974 - "Dia da liberdade"

       Ano após ano, o dia 25 de Abril de 1974, dia da liberdade, é sempre recordado como um dia de conquista, de revolução sem guerra, de um devolver de direitos, costumes e tradições que estava "trancado" por um regime que teimava em controlar a sociedade. Então, numa vontade inigualável até aos dias de hoje, conseguiu-se vencer e ultrapassar as barreiras que nos dias de hoje nos levam a pensar que algumas delas até não se ultrapassaram completamente. 

   Cá na nossa instituição, comemorámos este dia tão importante na história do Portugal, confrontando gerações, desmistificando ideias e procurando uma "chuva" de opiniões que pudessem, de certa forma, trazer algo de novo para ambas as faias etárias, nomeadamente crianças e idosos. 

      Numa primeira abordagem, crianças e idosos explicaram o que significa a palavra "Liberdade". As crianças de hoje já nasceram com o direito a ela e os outros, os mais velhos, nem sempre viveram na liberdade e isso, faz toda a diferença. 








    Nesta partilha de gerações, mesmo quem não passou pelo período da ditadura, deve perceber que esse foi um momento da história de Portugal, pelo qual passaram os seus avós ou familiares. Deste modo, para que percebam melhor o que se passou, existem um variado número de histórias ou outros suportes didáticos, que de uma forma simples e direta tenta explicar aos mais pequenos o que se passou nessa época. 




    E se pensamos que as crianças não percebem o que se passou nesse passado tão pesado da nossa história, estamos enganados. Com a ajuda das histórias, filmes ou outros suportes que possam explicar aos mais pequenos o que foi o 25 de Abril de 1974 mas também com os testemunhos de quem viveu essa época, tudo se torna mais fácil e entusiasmante. 

       Tanto para as crianças como para os idosos, é importante existir esta postura de complemento de idades. Uns precisam dos outros. Ambas as faixas etárias sentem-se úteis, importantes, embora os papéis de umas e de outras sejam diferentes. É isso que importa, o estímulo e a curiosidade dos mais pequenos para com os mais velhos e por outro lado o exemplo e as "histórias vivas" que são os mais velhos para com os mais novos. Assim se alcançam momentos de felicidade.